RECRIANDO O SAARA NO PAMPA

A pauta era o avanço da desertificação na região de Alegrete, no pampa gaúcho. Início dos anos 80. Misteriosas e extensas faixas de areia cobriam os campos, intrigando especialistas.

A reportagem era para a Globo.  A TV Gaúcha (só algum tempo depois virou RBSTV) tinha recebido imagens feitas pela sucursal da região, mas a versão nacional tinha que ser finalizada em Porto Alegre.

Não havia tempo para mandar uma equipe gravar a passagem (quando o repórter fala no local), produzir mais imagens e voltar à capital para editar e gerar via satélite para a rede no mesmo dia.

Mas sabe como é. Missão dada, missão cumprida. Foi mais ou menos nessa época que surgiu um ditado que vigora até hoje: “Vamos nessa que a Globo se interessa!”

Depois de uma rápida reunião com a editoria, a equipe rumou para a praia mais próxima no litoral.

Chegando lá, procuraram as maiores dunas. Gravaram algumas imagens em planos não tão abertos, e a passagem do repórter, com informações que a produção havia apurado anteriormente.

Mas alguém da equipe adverte: “E se não colar?”

O motorista então recebeu a ordem para sair em busca de um adereço cenográfico que tornasse as imagens mais impactantes:

– Vai correndo achar um açougue!

Voltou algum tempo depois com uma caveira de boi que foi prontamente enfiada na areia. Era o toque que faltava para ilustrar de forma mais eloqüente aquela tragédia ambiental que seria revelada para todo o país.

A matéria foi ao ar. Curtinha, mas foi.