A GAGUEIRA E O REPÓRTER FALASTRÃO

Ser gago pode atrapalhar quem trabalha em comunicação. Ou não.

Quando o profissional é dos bons, a competência se sobrepõe ao problema. Veja o grande Carlos Wagner, repórter especial do jornal Zero Hora. Um veterano campeão de prêmios de reportagem, autor de vários livros e uma referência absoluta para os jornalistas de norte a sul.

Já em televisão e rádio, claro, a coisa complica. Difícil imaginar um repórter gago ao microfone. Para quem atua nos bastidores não chega a ser um grande problema. Mas tem vezes em que grandes jornalistas como o deste causo acabam se atrapalhando um pouco.

Final dos anos noventa. O repórter esportivo e narrador Paulo Brito se preparava para uma entrada ao vivo no RBSNotícias, noticiário das 19h da RBSTV. No comando do programa, o editor chefe Renato Matte, profissional super tarimbado, corretíssimo e querido por todos .

Mas era gago. Não daqueles que gaguejava sem parar o tempo todo, mas que conforme o ritmo e a tensão do momento, patinava nas sílabas.

As entradas ao vivo no RBSN são sempre muito curtas. Cada segundo é controlado rigorosamente para não estourar o tempo e bagunçar a estrutura do programa e da programação. É o preço a pagar por estar espremido entre duas novelas da Globo.

Brito entrou no ar e desandou a falar. O tempo programado esgotou e Renato começou a pedir pelo microfone do suíte que Brito encerrasse a transmissão.

Nos fones, Brito ouvia insistentes e cada vez mais nervosos “En…en…en…en…”.

Quanto mais Renato tentava intervir, mais Brito falava. O tempo explodiu e ele teve que ser cortado do ar abruptamente para não condenar as matérias que ainda entrariam.

Terminado o telejornal, Renato voltou aos fones do repórter falastrão:

– Pô, Brito, tu não me ouviu pedindo desesperadamente  “encerra, encerra”??

– Eu ouvi, mas tu só dizia “en,en,en,en…”  Eu achei que tu tava pedindo  “Enrola, enrola…”

Pois é, coisas do telejornalismo.

Em tempo: a gagueira sutil nunca foi obstáculo para o Renato. Depois de uma exitosa carreira como chefe de reportagem e editor-chefe na RBSTV, atuou muitos anos como diretor da SportTV, no Rio de Janeiro, de onde saiu há poucos meses.